domingo, 27 de outubro de 2013

Peixe

A pena estanca, para, titubeia...
Nenhuma ideia clara se apresenta.
Meu pensamento voa, devaneia
E sobre à beira d'água se assenta.

Sou pescador agora, e para a ceia
Quero pirão de peixe com pimenta.
Cevo o remanso, acendo a candeia
E lanço o anzol com isca suculenta.

Esse exercício é pura paciência,
Pois tenho fome e fé em evidência.
(E a segunda, trago como lema).

Sinto um tremor bulir o molinete,
Aguço o olhar, suspiro em falsete
E num rompante... fisgo o poema.


Frederico Salvo


Sem comentários:

Enviar um comentário