sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

LOUCO


Haja visto que tudo o que norteia
E baliza a conduta dessa gente
Vai de encontro a essa chama que incendeia
O egoísmo que caminha sempre à frente.

Não que fosse assim desde o começo.
Pouco a pouco é que se vai forjando em brasa.
Nesse mundo em que tudo tem seu preço,
A inocência é enterrada em cova rasa.

Há quem, louco, nada contra a correnteza.
E essa força monstruosa desafia,
Compensando força bruta com leveza.

Desce o elmo e incorpora fantasia,
Hostilidade paga com delicadeza
E transforma desamor em poesia.


Frederico Salvo

7 comentários:

  1. "Desce o elmo e incorpora fantasia,
    Hostilidade paga com delicadeza
    E transforma desamor em poesia."..e..mocionei-me...
    Quanta beleza nesse espaço...colocando ali no cantinho meu banquinho...
    Bjssss
    Valéria Cruz

    ResponderEliminar
  2. Excelente soneto que traduz bem um sentimento de desilusão.
    Bom vir aqui.
    Bj

    ResponderEliminar
  3. Olá, boa noite!

    Venho desejar-lhe uma Feliz Páscoa!

    Saudações minhas!

    ResponderEliminar
  4. Transformar desamor em poesia ...é a sina do poeta...e é louco...pois é...mas só assim se cumpre a palavra...Gostei de cá vir...não conhecia o meu primo...irmão..."sei lá"...:)))
    Fotografia, soneto, música...perfeito!!!

    Beijinhos e obrigada pela surpresa...raramente espreitas por lá...:)

    ResponderEliminar
  5. E, contudo, talvez a loucura seja inata

    Gostei de ler e pensar

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Sopram ventos de melancolia
    Transparente é o cinza que a tua alma encerra

    A minha pobreza é a falta de um par de asas
    Encontrei um lugar de reinvenção das sombras
    Pensei virar as costas ao tempo e ao deslumbramento
    E aí houve estranhamente o amanhecer das minhas palavras

    E passei para te deixar


    Um mágico beijo

    ResponderEliminar